COVID-19 e desigualdade: a distribuição dos fatores de risco no Brasil – artigo

Em artigo, as autoras [Luiza Nassif Pires (Levy Economics Institute); Laura Carvalho (Universidade de São Paulo); e Laura de Lima Xavier (Harvard Medical School)] explicam que seja pela maior dificuldade de manter o isolamento social, o emprego e a renda, seja pelo menor acesso à saúde e ao saneamento básico, há relativo consenso de que a COVID-19 irá afetar desproporcionalmente os mais pobres. “Esse breve relatório sugere uma razão adicional para se esperar que os mais vulneráveis sejam mais atingidos pela pandemia: a maior incidência de fatores que elevam o risco de gravidade da doença entre os menos escolarizados. Tais evidências reforçam a necessidade de se desenhar medidas que tratem os desiguais de forma desigual.”

LEIA O ARTIGO:
➡ COVID-19 e desigualdade – a distribuição dos fatores de risco no Brasil

OBSERVAÇÃO:
O ONDAS acrescentaria, ao final do texto do artigo, que para proteger os mais pobres é preciso, além de políticas de preservação da renda, que permitam o isolamento social, e de ampliação do número de leitos disponíveis no SUS, assegurar emergencialmente o acesso à água e ao saneamento.

 

Confira também:
➡ Publicações sobre a pandemia do novo coronavírus e o saneamento

 

 

Compartilhe nas Redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *