Ex-dirigente de Thames Water recebeu 2,8 milhões de libras desde que foi demitido

Matéria publicada originalmente no The Guardian (autor: Richard Partington) e traduzida para o ONDAS por Marcos Montenegro
_______________________________________________________

Steve Robertson recebeu um pagamento de £ 2 milhões em cima de  £ 777.500 por perda de aviso prévio, apesar de ter sido demitido por perdas elevadas

Steve Robertson em 2017, quando a Thames Water foi multada por descarregar esgoto bruto em um pântano ambiental no Parque Olímpico. Foto: David Wilcock / PA

O ex-chefe da Thames Water recebeu 2,8 milhões de libras desde que deixou a empresa, apesar de ter sido demitido por perdas de água e multas enquanto estava no comando.

Steve Robertson, que parou de trabalhar para a empresa em maio do ano passado, recebeu uma recompensa de 2 milhões de libras por perder o emprego, além de 777.500 libras pagas para cobrir seu período de aviso prévio de 12 meses.

Ele foi convidado a deixar o conselho da maior companhia de água do Reino Unido, que atende 15 milhões de pessoas, depois de um conflito por seu fracasso em reduzir os vazamentos.

Os detalhes do pagamento foram obtidos depois que o Guardian revelou que esgoto bruto foi bombeado por mais de 1.000 horas de um tubo extravasor da Thames Water para um pântano ambiental no Parque Olímpico, no leste de Londres, no ano passado.

Robertson, que liderou a empresa desde 2016, foi demitido em meio ao constrangimento do conselho da Thames Water por causa de seu histórico de combate a vazamentos. O Ofwat, o órgão regulador da água, multou a Tamisa em 120 milhões de libras em 2018 por má gestão das perdas e disse que a empresa “falhou com seus clientes” ao violar duas de suas responsabilidades legais.

As empresas de água enfrentam um questionamento cada vez maior sobre o fracasso em lidar com vazamentos e oferecer aos consumidores uma relação custo-benefício, enquanto pagam grandes somas aos investidores e executivos. Antes da eleição de dezembro, Jeremy Corbyn prometeu nacionalizar as empresas de água para impedir que os consumidores sejam enganados no futuro.

Luke Hildyard, diretor do thinktank High Pay Center, disse que é evidente um grande aumento nos salários dos executivos, uma vez que a privatização das empresas de água e outras empresas de serviços públicos fez pouco para melhorar o desempenho.

Ele disse: “Este caso realça dois dos aspectos mais perniciosos da filosofia econômica que guia os formuladores de políticas do Reino Unido nos últimos 40 anos: a venda de ativos públicos para ganhos de curto prazo e a fé ingênua de que a classe executiva concederá prosperidade ao resto de nós.”

Um porta-voz da Thames Water disse: “Nossos clientes não pagarão por isso. Enquanto estava conosco, Steve Robertson não recebeu bônus por dois anos, pois priorizamos o investimento na melhoria do serviço para os clientes.

“Seu pagamento pela perda do cargo, calculado com seus incentivos e desempenho em mente, foi financiado por meio de ganhos gerados fora do negócio regulado. Caso contrário, o dinheiro seria devido aos nossos acionistas.”

A empresa disse que os ganhos não regulamentados são provenientes de atividades comerciais, como pesquisa de imóveis para pessoas que desejam comprar uma casa. Ele disse que as perdas foram reduzidas em 15% no ano passado, excedendo sua meta regulatória.

As empresas de água inglesas pagaram mais de 2 bilhões de libras por ano em média aos acionistas desde que foram privatizadas há três décadas, segundo uma análise do Guardian publicada na semana passada.

Original em inglês, publicado em 5/7/2020: https://www.theguardian.com/business/2020/jul/05/thames-water-former-boss-handed-28m-since-being-sacked


Leia também:
As empresas privatizadas de água e esgoto da Inglaterra pagaram 57 bilhões de libras em dividendos desde 1991

 

 

Compartilhe nas Redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *