10 anos dos direitos humanos à água e ao saneamento

Em 28 de julho comemoramos os 10 anos da Resolução da ONU que declarou que o acesso à água limpa e segura e ao saneamento básico são direitos humanos fundamentais.

A aprovação da Resolução 64/292 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2010, veio introduzir efeitos práticos e simbólicos quanto a esses direitos. Na prática, esse reconhecimento significa a obrigação dos países em realizar, defender e proteger o usufruto desses direitos, bem como em alinhar sua legislação, preferencialmente suas constituições, a essas obrigações.

Significa também que a população dos países passa a ser detentoras de direitos, devendo ter acesso à justiça para reivindicar sua implementação e exigir reparação em situações de violação. Simbolicamente, a partir da referida Resolução, água e saneamento são alçados de uma visão de infraestrutura, de serviços ou de políticas públicas, para um status de direitos humanos, uma obrigação dos governos em seus diversos níveis em implementá-los. Simbolicamente ainda, o reconhecimento da água e do saneamento como direitos tem contribuído para pautar as lutas da sociedade civil, fortalecendo sua narrativa e o peso de suas reivindicações.

Leia também:
▪️ Entrevista com Léo Heller: os 10 anos dos direitos humanos à água e ao esgotamento sanitário
▪️ Há dez anos, ONU declarava acesso a água e saneamento como direito humano

CICLO DE OFICINAS DO ONDAS
O ONDAS promove um ciclo de atividades para marcar o 10º aniversário do reconhecimento explícito dos direitos humanos à água e ao saneamento pelas Nações Unidas. Dentre estas atividades, incluem-se a realização de debates, na forma de lives, abordando aspectos relevantes dos referidos direitos, que ainda merecem maior exploração conceitual e uma mais clara visualização de caminhos para sua implementação, nas realidades brasileira e latino-americana.

O ONDAS também realizou um ciclo de debates, sintonizando as abordagens e as discussões com o marco dos direitos humanos, sob a preocupação de esclarecer os participantes quanto às lacunas no cumprimento dos direitos, às necessárias medidas para se avançar nesse campo e ao papel do Estado e da sociedade em sua promoção.

Saiba mais:
▪️ Lives do ONDAS

▪️ Ciclo de Oficinas: Visões críticas sobre as alterações do marco legal de saneamento

Compartilhe nas Redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *