ONDAS – Observatório dos Direitos à Água e ao Saneamento

Dirigentes das empresas privadas de água devem ser presos

 

Artigo de Marcos Helano Montenegro*  
_________________________

Foi divulgado hoje, 14 de julho, o relatório anual 2021 sobre a poluição por esgotos causadas pelas empresas privadas proprietárias dos serviços de água e esgoto da Inglaterra. Na ocasião, a Agência do Meio Ambiente (EA) informou que as empresas de água inglesas apresentaram níveis chocantes de poluição no ano passado.

Considerando que o desempenho das empresas  no combate à poluição por esgotos caiu para o pior nível dos últimos anos, Emma Howard Boyd, diretora da Agência, está solicitando que os executivos-chefes e os membros de conselhos sejam presos e demitidos já que parecem não se intimidar com ações de fiscalização e com a aplicação de multas judiciais por violar as leis ambientais.

A forte reação da Agência do Meio Ambiente foi secundada pelo Departamento de Meio Ambiente (Defra), com status ministerial, por meio de um porta voz que afirmou: “Este relatório mostra que as empresas de água estão ignorando suas responsabilidades legais. Os dirigentes das companhias não podem continuar a ter grandes lucros enquanto poluem as nossas águas”.

A avaliação de desempenho ambiental utilizada no relatório anual utiliza de uma a quatro estrelas para informar o desempenho. Seis das nove empresas precisam melhorar muito o desempenho: a Southern Water e a South West Water receberam apenas uma estrela – desempenho ruim e outras quatro empresas: Anglian, Thames , Wessex e Yorkshire, receberam apenas duas.

Segundo o jornal The Guardian, “a crescente indignação pública com a escala de lançamentos de esgoto em rios e águas costeiras forçou esta agenda a se tornar parte do debate político dominante. Cidadãos cientistas e comunidades em todo o país estão fornecendo evidências da poluição dos cursos d’água pelas empresas.”

Ao lado de empresas ávidas por lucro, o desmonte do Estado

Em artigo no The Guardian, John Vidal, ex-editor de Meio Ambiente do jornal inglês, afirma que o combate à poluição não é o ponto forte de nenhum governo, mas agora a proteção da Inglaterra contra a destruição da natureza está sendo intencionalmente desmontada. O jornalista informa que no ano passado, a Agência do Meio Ambiente recebeu mais de 100.000 denúncias de poluição da água, do ar e da terra na Inglaterra, mas, segundo chocantes documentos vazados, a agência, responsável legal pela proteção  do meio ambiente ordenou que sua equipe ignorasse todas as denúncias, exceto as mais óbvias e de maior impacto. A agência investigou apenas 8.000 dos 116.000 potenciais incidentes de poluição e apenas um punhado de empresas foi levado ao tribunal.

Vidal lembra que o governo inglês, mimetizando Donald Trump nos EUA, castrou todas as outras agências de proteção, incluindo a Natural England, a Forestry Commission, a Natural Resources Wales e a Scottish Environment Protection Agency e que o financiamento para a Food Standards Agency foi reduzido pela metade entre 2009 e 2019, e o do Health and Safety Executive, que supervisiona a segurança no local de trabalho, em 53%.

Não se precisa fazer qualquer esforço para traçar um paralelo com o desmonte em curso no Brasil, patrocinado pelo governo Bolsonaro, tendo como pano de fundo a política econômica neoliberal do governo conservador inglês e a conduzida por Paulo Guedes desde 2019.

*Marcos Helano Montenegro, coordenador de Comunicação do ONDAS

A seguir a íntegra do comunicado à imprensa liberado hoje pelo Governo do Reino Unido cuja versão original em inglês está disponível em:
https://www.gov.uk/government/news/water-and-sewerage-company-performance-on-pollution-hits-new-low

DESEMPENHO DAS EMPREAS DE ÁGUA E ESGOTO NA POLUIÇÃO ATINGE NOVO MÍNIMO (fonte: Agência Ambiental)

A última avaliação anual de desempenho ambiental mostra que o desempenho ambiental das nove empresas de água e esgoto da Inglaterra diminuiu.

A Agência do Meio Ambiente está solicitando hoje:

  • Tribunais para impor multas muito mais altas para incidentes de poluição graves e deliberados. As multas atualmente aplicadas pelos tribunais geralmente são inferiores ao salário de um executivo-chefe.
  • Penas de prisão para executivos-chefes e membros do conselho cujas empresas são responsáveis ​​pelos incidentes mais graves e diretores de empresas demitidos para que não possam seguir suas carreiras após danos ambientais ilegais.

A Agência do Meio Ambiente divulgou hoje (14 de julho) seu relatório anual sobre o desempenho ambiental das nove empresas de água e esgoto da Inglaterra.

O relatório mostra que, em geral, em 2021, o desempenho das empresas caiu para o nível mais baixo já visto na Avaliação de Desempenho Ambiental (EPA). Comparado com a nossa classificação de 4 estrelas, o desempenho da maioria das empresas caiu. Apesar das contínuas ações de fiscalização contra aqueles que violam as leis ambientais, as empresas de água permanecem inabaladas pelas penalidades atualmente emitidas pelos tribunais.

Na classificação, a Southern Water e a South West Water receberam apenas 1 estrela, enquanto 4 empresas foram classificadas apenas com 2 estrelas – o que significa que precisam de melhorias significativas.

Northumbrian Water, Severn Trent Water e United Utilities tiveram um desempenho mais positivo e mantiveram 4 estrelas.

Desde 2011, usamos a EPA, que classifica cada empresa na Inglaterra de 1 a 4 estrelas, pelo desempenho em compromissos ambientais, como incidentes de poluição e conformidade com o tratamento de esgoto.

Após uma revisão regular de 5 anos do processo da EPA, a Agência do Meio Ambiente reforçou deliberadamente suas métricas para estabelecer metas mais apertadas que levarão as empresas a atender aos requisitos regulatórios e às nossas expectativas. A maioria das empresas não conseguiu atender a esses novos padrões mais elevados, como também viu seu desempenho se deteriorar em relação aos padrões anteriores.

A última EPA mostra:

  • O desempenho do setor na poluição foi muito pior do que nos anos anteriores.
  • Southern Water e South West Water foram classificados como 1 estrela.
  • Três empresas (Northumbrian Water, Severn Trent Water e United Utilities) mantiveram 4 estrelas, embora algumas melhorias ainda sejam necessárias.
  • Sete companhias de água tiveram um aumento de incidentes graves em relação a 2020. No total, houve 62 incidentes graves em 2021 – o maior número desde 2013.
  • Também não houve melhoria geral por vários anos no número total de incidentes ou na conformidade com as condições de despejo de águas residuais tratadas.

A presidente da Agência Ambiental, Emma Howard Boyd, reuniu-se com os presidentes das companhias de água na última semana.

Emma Howard Boyd, presidente da Agência Ambiental, afirmou:

É estarrecedor que o desempenho das companhias de água em relação à poluição tenha atingido um novo nível mais baixo. A qualidade da água não melhorará até que as companhias de água controlem seu desempenho operacional. Durante anos as pessoas viram executivos e investidores generosamente recompensados ​​enquanto o meio ambiente paga o preço.

Os diretores da empresa permitem que isso aconteça. Planejamos tornar muito doloroso para eles continuar assim. O valor que uma empresa pode ser multada por crimes ambientais é ilimitado, mas as multas atualmente aplicadas pelos tribunais geralmente são inferiores ao salário de um executivo-chefe. Precisamos que os tribunais imponham multas muito mais altas. Os investidores não devem mais ver os monopólios de água da Inglaterra como uma aposta de mão única.

Em face do seu relatório anual da EPA, a Agência do Meio Ambiente está pedindo hoje:

  • Que os tribunais imponham multas muito mais altas para incidentes de poluição graves e deliberados – embora o valor que uma empresa pode ser multada por crimes ambientais seja ilimitado, as multas atualmente aplicadas pelos tribunais geralmente são inferiores ao salário de um executivo-chefe;
  • Penas de prisão para CEOs e membros do Conselho cujas empresas são responsáveis ​​pelos incidentes mais graves;
  • Demissão dos diretores das empresas para que não possam simplesmente seguir em frente em suas carreiras após danos ambientais ilegais

Um porta-voz da Defra (Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais) disse:

Este relatório mostra que as empresas de água estão ignorando suas responsabilidades legais. Os dirigentes das companhias de água não podem continuar a ter grandes lucros enquanto poluem as nossas águas.

Não toleraremos esse comportamento e tomaremos medidas robustas se não observarmos melhorias urgentes. Somos o primeiro governo a definir nossa expectativa de que as empresas de água devem tomar medidas para reduzir significativamente as extravasões por ocasião de chuvas intensas e, no início deste ano, nós colocamos em consulta um plano abrangente para combater o impacto adverso significativamente as extravasões por ocasião de chuvas intensas.

Desde 2015, os processos da Agência do Meio Ambiente contra empresas de água garantiram multas de mais de £ 138 milhões. Em 2021, a Agência do Meio Ambiente concluiu sete processos contra empresas de água e esgoto com multas de £ 90 milhões, duas de £ 4 milhões, £ 2,3 milhões, £ 1,5 milhão, £ 150.000 e £ 540.000. Cinco processos já foram concluídos em 2022 com multas de £ 300.000, £ 240.000, £ 233.000, £ 50.000 e £ 18.000, e mais processos estão tramitando no tribunal.

Trabalhando com o Ofwat e a Defra, estabelecemos expectativas claras por meio dos Requisitos Ambientais Estratégicos da Indústria da Água (WISER) para 2020-2025, que esperamos que as empresas de água e esgoto atendam. A metodologia PR24 da Ofwat está atualmente em consulta pública e agiremos oportunamente para ajudar a ajustá-la e garantir que ela atenda aos desafios atuais.

Outras ações que o Defra e a Agência de Meio Ambiente estão tomando incluem:

  • Aumentar as inspeções de instalações de tratamento de esgoto;
  • Estabelecer novas exigências por meio da Lei do Meio Ambiente para que as empresas coloquem monitores em todos os seus lançamentos, tanto na rede quanto nas estações de tratamento de esgoto e tornem os dados públicos
  • Continuar a maior investigação já realizada do país sobre crimes ambientais, nossa investigação de todas as empresas de água em potencial não conformidade com o escoamento para tratamento completo (FFT)em instalações de tratamento de águas residuárias. Isso envolve todas as empresas de água, e estamos analisando se elas violaram deliberadamente e deliberadamente a lei em relação ao tratamento e despejo de esgoto;
  • Reforçar nossa regulamentação – dando maior ênfase às causas profundas da não conformidade e dos incidentes de poluição e garantindo que os planos de ação de nossa agência sejam direcionados e eficazes.

Notas aos editores:

  • Em 18 de novembro de 2021, a Agência do Meio Ambiente (EA) e a Ofwat anunciaram grandes investigações sobre a potencial não conformidade generalizada por empresas de água e esgoto em obras de tratamento de águas residuais.
  • As investigações foram iniciadas depois que as empresas nos revelaram que podem estar violando suas condições de permissão. Esta questão foi trazida à tona após a exigência da EA das empresas para melhorar a forma como monitoram e gerenciam o tratamento de fluxo até o total em obras de tratamento de águas residuais por meio da instalação de novos monitores.
  • Enquanto a investigação avança, a EA, o governo e a Ofwat estão trabalhando em estreita colaboração para garantir que as empresas de água e esgoto tomem medidas imediatas quando forem identificadas possíveis violações das condições de permissão. É responsabilidade das empresas de água e esgoto trazer seus locais de volta à conformidade o mais rápido possível e eles serão responsabilizados pelos reguladores.

Para saber mais sobre a poluição por esgotos na Inglaterra:
https://ondasbrasil.org/na-inglaterra-prestador-privado-sofre-multa-recorde-por-poluir-continuamente-as-praias-com-esgoto-bruto/
https://ondasbrasil.org/desempenho-dos-prestadores-privados-agrava-a-poluicao-por-esgotos-na-inglaterra/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *